C54 SEGUNDA-FEIRA, 27 DE MARÇO DE 2000
P˘r-do-Sol em Stinson Beach - Fotografia de Rui Gonšalves

Desculpem ter-vos despachado ontem à noite, mas estava realmente um bocado cansado e sem vontade nenhuma de estar em frente ao monitor do PC a escrever. Pelo que vos troquei por um filme série C de acção, género "Assalto ao Arranha Céus", misturado com "Aeroporto" ou coisa parecida, chamava-se "O passageiro 59" acho eu... E era uma verdadeira merda!

Mas passemos à acção na nossa novela sem horário nem periodicidade definida.

Sábado, 25 de Março de 2000

Acordámos todos, mais ou menos tarde. Estava tudo estoirado. A Mónica e a Rita, dormiram na sala porque quando se foram deitar no quarto do Tiago, o Martin ressonava e elas fugiram... A Rita tem um azar nestas coisas.

Tomámos o pequeno almoço na varanda ao sol, sem pressas, porque por aqui não há stresses. Cantámos os parabéns à Joana e comemos o bolo de anos, que eles se esqueceram de trazer para a mesa durante a festa da noite anterior. Já alguma vez foram a uma festa de aniversário em que não há bolo nem se canta os parabéns? E se deixa o bolo no frigorífico? E só se lembra dele quando os convidados saíram e os restantes só pensam em ir dormir? Fantástico! Só em casa da Joana.

Chegou a hora de ver o que iríamos fazer nesse dia. O tempo que vamos estar aqui é muito, mas o que temos que ver e gozar, tem de ser proporcional. E uma tarde de sol em casa é um desperdício.

Resolvemos ir até Corte Madera, para o parque jogar um rugby e disco, enquanto a Mónica ia a San Francisco mudar de roupa, para depois irmos a Muir Woods, Muir Beach e Stinson Beach.

Chegámos todos ao mesmo tempo a Corte Madera, incluindo a Mónica e o Carlos que foi com ela a San Francisco. Ficámos ali no relvado do parque que ostentava uma brilhante placa amarela com uma impressionante frase em letras garrafais a dizer "Keep Off"... Alguém me sabe dizer o significado? É que nós não somos de cá...

Jogámos um bocado até que a fome começou a apertar e fomos almoçar ao The Village of Corte Madera, o centro comercial do outro lado da auto-estrada 101. Ficámos ali na esplanada a comer e a conversar cerca de uma hora. Alguns até fumaram, apesar de haver um grande letreiro azul fluorescente que dizia "No Smoking", e que ninguém percebeu...

E partimos em direcção ao Sol quando já eram quase 4h da tarde. Começámos a subir para o Golden Gate National Recreation Area, que vai desde a ponte Golden Gate até a Point Reyes, onde a Falha de S. André entra no pacífico e que deve ter cerca de 40 km de costa (comprimento) e 6 a 10 km de largura. Ao longe, a norte via-se na sua imponência o Mt. Tamalpais, a oeste o vasto Pacífico, a leste a baía e milhares de veleiros e a sul a cidade de San Francisco... Mas por todo o lado era um verde a perder de vista e convidativo.

Começámos a descer para Muir Woods, a última franja de sequóias na região, depois dos americanos terem devastado as florestas costeiras da Califórnia. A estrada é do tipo rali, com curvas e contra curvas, estreita e sobre uma ravina com alguns metros de altura. A paixão do Carlos e do Tiago, que se vinham a babar... O Carlos ainda fez o seu MR2 chiar em algumas curvas.

À entrada do parque um letreiro dizia que se pagava $2 para entrar. Como tudo por aqui se paga, não estranhámos, mas como estava a ficar tarde e queríamos ver o sol pôr-se no pacífico, optámos por uma rápida mudança de direcção e fomos para Stinson Beach.

Passámos por Muir Beach, mas da estrada pouco se via... Quando chegámos ao primeiro morro sobre o azul do Pacífico parámos e apreciámos a vista... Via-se Ocean Beach em San Francisco a Sul, e para norte a estrada continuava sinuosa sobre as encostas dos montes que davam para o mar. Não eram bem desfiladeiros nem escarpas, mas mesmo encostas. Fazia-me lembrar a costa norte da Madeira. Verde e íngreme a cair para o mar, com uma estrada sinuosa.

Seguimos a estrada até que ao longe se via uma franja de areia com água dos dois lados - Stinson Beach. A praia da Califórnia que tem uma página oficial na Internet e tudo em http://www.stinsonbeachonline.com/.

Depois de uma inversão de marcha porque falhámos a entrada para a praia, chegámos e fomos presenteados com um grande letreiro (Outro?) que dizia "Shark Attack Warning", e explicava que uma pessoa foi atacada em 1998 por um tubarão numa zona de 1,5m e a 50m da costa. Ficámos satisfeitos em saber que afinal sempre servimos para abrir o apetite a alguns animais... Ontem na conversa com o Ben, do meu escritório, fiquei a saber que os tubarões vão procriar aqui perto numa baía... É sempre bom saber estas coisas.

A praia é fantástica. É também como dos filmes, mas diferente da de Santa Cruz, que já tínhamos ido. Esta não tem carroceis sobre a água, mas tem casas viradas para o mar sobre o areal e com janelas do tamanho da parede... Não sei se já viram aqueles filmes em que as pessoas estão na varanda a comer ao pôr do sol, muito perto do bater das ondas. Pois é desse género de praia.

Junto à água um grupo de passarinhos dançavam com as ondas. Fugiam da onda quando ela vinha e depois corriam atrás dela quando ela voltava... O sol ao longe punha-se, na costa por detrás de nós as montanhas verdes faziam-me lembrar a praia dos salgados, mas com montes muito maiores e nos céus viam-se 4 ou 5 falcões que no seu planar davam um ar selvagem ao momento.

O pessoal pôs-se a jogar ao disco e eu fui passear pela praia com a Joana. Andámos quase metade da praia, mas desistimos quando vimos que ainda faltava mais metade para chegar à boca da lagoa de Bolinas. Sentei-me na areia a apreciar o momento em que o sol desapareceu no horizonte, pena que não fosse no mar, mas sim por detrás de uma franja de terra, uma vez que a baía está virada a sudoeste. Mas as cores e os reflexos estavam espectaculares, como todos os pôr-do-sol na praia... Pena que não pudesse estar com a Cláudia naquele momento... Mas podem ter a certeza que lá hei-de voltar.

O tempo começou a esfriar com o desaparecimento do sol e decidimos ir embora... Cansados e com sono a volta foi rápida e com sabor a despedida.

Depois de umas voltas o Nuno, Rita, e Joana conseguiram chegar a minha casa, depois de nos terem posto a todos os restantes a andar às voltas sem saber o que fazer e preocupados. Mas tudo está bem quando acaba bem e fomos para minha casa beber um chocolate quente e comer uma pão com manteiga.

Quando lá chegámos o Singh estava a cozinhar um delicioso Caril de Galinha, a avaliar pelo cheiro que enchia a casa. Vou começar a pedir-lhe umas verdadeiras receitas indianas, o cheiro é magnífico.

A Rita, Mónica e Carlos foram para San Francisco, para o rock... E nós ficámos ali a ver uma sessão non-stop da série "Friends". A Joana foi a primeira a desistir, seguida do Martin (que foi para casa dele), depois o Tiago, eu e por fim o Nuno.

Dormimos os 4 no meu quarto. E de novo o Tiago fez notar a sua presença, mesmo a dormir... Ressonou um bocado e mexe-se tanto que era impossível não nos apercebermos que ele estava ali... Mas ninguém foi dormir para a sala.



Índice: Página I1 Col. 1
Próxima Crónica: Página C55 Col. 1